O bom da vida é sair por aí...Descobrir o mundo, descobrir as pessoas e as coisas...Sentir, olhar, experimentar... viver o que é bom e saber diferenciar...ampliar os horizontes sem ter medo de ousar!!!!

Por Camila Marinho

26 de dezembro de 2010

Natal e afins

Pela primeira vez na vida tive folga no Natal e NÃO VIAJEI. E com um detalhe importante: FOLGA DE UMA SEMANA!!! Nem assim fui para a terrinha adorada curtir o Natal em família!

Mas é claro que essa insanidade tem explicação!
1) Trabalho no Reveillón e estou de férias em janeiro. Ou seja, eu iria gastar uma fortuuuuna indo para BH no Natal, voltando para trabalhar no Reveillón e depois voltando dia cinco de janeiro para BH!
2) Estou em período de reforma no apê novo. Mudo antes de ir para BH! Então essa última semana, apesar da folga na TV, foi de vai e vem com as coisas do apê!!!
3) E dia cinco de janeiro taí né? BH me espera! Terei tempo suficiente para curtir mamys, papi, irmãos, irmã, a família toda e minha Minas querida!!! Bom demais da conta!

Mas apesar de longe da mineirada toda, o Natal foi até gostoso! Passei em casa mesmo, na companhia do maridão, filho e um casal de super amigos de BH! E veja o orgulho: fiz a ceia toda so-zi-nha! Teve arroz (grudadinho, mas teve), farofa gostosa, lombo ao molho de maracujá, batata de forno e um chester que ficou ma-ra-vi-lho-so!!! Não vou me gabar demais porque seria suspeito, afinal "  euzinha"    fiz! Mas eu nunca comi um chester tãaaaaooooo bom!

Vou dar a dica, preste atenção! Temperei o chester na noite anterior com sal, suco de mexerica (aqui na Bahia dizem tangerina), limão e vinho branco. Ah, dei umas espetadinhas no bichinho pro suco "entranhar".... No dia seguinte, umas duas da tarde, coloquei no forno e cobri todo o chester com papel alumínio. Ah, com um detalhe: com todo o caldo do tempero. Além disso, dentro da pele do bichinho enfiei uns pedacinhos de manteiga gelada para ir derretendo à medida que assasse. De tempos em tempos eu regava o chester com o suco. Depois de pouco mais de uma hora no forno médio, reforcei a asa e as coxinhas do bichinho com papel alumínio para que não queimasse. Como o chester já estava cozido, mas não dourado, desliguei o forno. Lá pelas oito da noite voltei a ligar o forno só para dar aquela dourada básica. Reguei com o caldo de novo e pincelei mel no bichinho todo. Ele voltou para o forno sem o papel alumínio. E de tempos em tempos, lá ia eu regar o bichinho. Quando dourou, desliguei o forno e pincelei mais mel, porém deixei ele lá dentro, na "quentura". Regando mais um pouquinho. Pronto!!! Eis o segredo: mel para dourar e um "rega-rega" para não deixar o chester seco! O trem ficou bom demais!!! Temperadinho e suculento!

Pra dar uma enfeitada, coloquei fios de ovos ao redor (isso eu comprei pronto) e cerejas frescas por cima. Divino! De sobremesa, um sorvete com brigadeiro (que eu também fiz) e uma torta de chocolate com damasco que meu amigo trouxe!

Papai Noel passou lá em casa. Levou presentinho pro Bebeco e ainda esqueceu o gorrinho. Mas atendeu ao pedido do meu anjo! Qual foi o pedido??? Veja aí no vídeo abaixo. Reparem na "perda auditiva" do bom velhinho....hahahahaha

video

19 de dezembro de 2010

Reconhecimento

Na última terça-feira recebi o Prêmio Jânio Lopo de Jornalismo da Câmara de Vereadores de Salvador. O prêmio foi dado a cinco profissionais da imprensa que se destacaram este ano na cobertura dos trabalhos da Casa.

A escolha foi feita pelos 41 vereadores e os nomes mais citados foram o meu (na categoria TV), Fernanda Chagas (Tribuna da Bahia), Daniel Pinto (site Bocão News), César Marques (Site Bahia Press) e Cristóvão Rodrigues (Itaparica FM).

Muito bom este reconhecimento, que acredito ser fruto do trabalho ético, imparcial e verdadeiro que procuro fazer.

Na foto abaixo, recebendo o prêmio ao lado do vereador Téo Sena (autor do requerimento que criou o prêmio) e do presidente da Câmara, Alan Sanches.

Nesta outra foto, os cinco premiados e alguns vereadores.