O bom da vida é sair por aí...Descobrir o mundo, descobrir as pessoas e as coisas...Sentir, olhar, experimentar... viver o que é bom e saber diferenciar...ampliar os horizontes sem ter medo de ousar!!!!

Por Camila Marinho

30 de agosto de 2010

Quando a gente participa da história

Uma das melhores coisas do jornalismo é poder participar, de bem perto, dos fatos que entram para a história.

No último fim de semana trabalhei por mais de 20 horas. Muitas delas dedicadas à implosão do Estádio da Fonte Nova, em Salvador. Foram reportagens que mostraram desde os preparativos até a implosão de fato!

E, apesar de não ser baiana, confesso que me emocionei. Talvez por gostar tanto de futebol. Talvez por saber a importância que aquele lugar tem para tanta gente. Talvez por lembrar de tantas vezes que o marido falou daquele estádio pra mim, muito antes que eu pudesse imaginar vir morar na Bahia. E também por ser, por si só, um fato marcante.

Ver a emoção e o apego de tanta gente, o saudosismo, as lembranças....é marcante, não tenham dúvida!

E como todo mundo que passou perto do estádio antes dele virar poeira e entulho, eu também tirei fotos para me lembrar da "velha Fonte Nova". Para, um dia, mostrar para meu filho e dizer:
- "Olha filho, sua mãe estava ali. Trabalhou, viu de perto esse momento tão marcante!"

Essas primeiras fotos foram tiradas no sábado, um dia antes da implosão. Abaixo, eu e o cinegrafista Ubiratan Passos.



Já esta outra foto aí foi tirada no dia mesmo, com os colegas da imprensa Yula e Matheus, momentos antes da implosão.








Ao lado, foto tirada pouquíssimo tempo antes da implosão....Tirei do celular, por isso não está tão boa. Mas dá para ver o povo todo na beira do Dique do Tororó e o estádio, ainda de pé, ao fundo.






O vídeo abaixo, filmado às 10h25 da manhã de 29 de agosto, mostra a implosão. Também foi do celular....


video

O que restou da Fonte Nova??? Um grande vazio. E entulho, muito entulho.


Se você quiser ver como foi a implosão, assista a reportagem que saiu no Bom Dia Brasil clicando aqui.

4 comentários:

Renata disse...

Camila, é uma honra mesmo poder fazer parte dessa história. Mas deixa eu deixar registrada a minha infeliz história, quando eu, meu pai e minha mãe fomos ver alegres da vida a implosão do Hotel Stella Mares em 1998. Ficamos bem pertinho dos cones de isolamento. Lá os 3 plantados. Um barulho imenso e de repente tudo abaixo. Estavamos achando lindo e de repente vemos o pessoal correndo loucamente e decidimos correr junto...rs.... Mas de nada adiantou, uma nuvem de poeira nos encobriu e mal conseguíamos respirar. Enfim, os 3 direto para o hospital, eu e meu pai, asmáticos, fomos respirar oxigênio puro e minha mãe, branca que nem nuvem, ficou toda impolada...uma história realmente. Até chamei os dois para irmos ver a implosão da Fonte Nova, mas já imagina a resposta né?rs... beijos Camila!!!!

Lílian disse...

Que bacana o seu dia-a-dia!
A intenção não é julgar, nem criticar, mas me lembrei de ti ao ler este post. Dá uma boa discussão : )
http://www.suzanaherculanohouzel.com/journal/2010/7/27/palmadas-vergonha-nacional.html

Jornal Do Marcus disse...

Camila,
Queria poder ter ido ao Dique do Tororó no dia 29 para me despedir do Estádio Octávio Mangabeira, mas, infelizmente, tive que acompanhar pela tv.
Como não fui ao Dique, tive que pegar as imagens da Internet.
Lindas as fotos(as três primeiras, em especial). A foto com o Mateus Borges e a Yula Verde ficou excelente. Conheci o Matheus na minha visita à Rede Bahia.
Beijos,
Marcus

Jaynne disse...

Call, eu vi a matéria e ficou ótima!!! Parabéns!!! Nem sei se vc vai ler meus comentários, afinal estão tão retardatários... enfim, confesso que entro aqui muito pouco, mas qdo entro fico encantada! bjus