O bom da vida é sair por aí...Descobrir o mundo, descobrir as pessoas e as coisas...Sentir, olhar, experimentar... viver o que é bom e saber diferenciar...ampliar os horizontes sem ter medo de ousar!!!!

Por Camila Marinho

15 de fevereiro de 2011

O trabalho, a escola e o trabalho...

Sim, estava desaparecida mesmo! Mas colocando a casa em ordem depois da mudança, e ainda sem internet, não sobrava tempo mesmo. Sem contar a pauleira que foi na semana do Festival de Verão. Todo dia trabalhando de madrugada não foi fácil... Mas as poucos vou retornando, ok?

A novidade que quero contar pra vocês é que Samuel começou na escola ontem, segunda-feira. E aí nessa semana toda terei que acompanhá-lo, já que é a fase de adaptação. O primeiro dia começou com a dificuldade de acordá-lo. Mas com jeitinho fui vencendo meu gostoso. Empolgado com a mochila nas costas, fomos pra escola. Ao entrar na sala, meio tímido, nem ligou para mim. Mas quando eu disse que se quisesse fazer xixi ou precisasse de qualquer coisa poderia falar com a professora....aí ele náo me deixou sair da sala. Quando eu ensaiava sair, ele ameaçava chorar. E quando eu saía, ele chorava. Aí eu tinha que voltar.

Até que surgiu um momento em que eu saí, ele chorou um pouquinho e parou quando a professora o pegou no colo. Pronto! Aí eu não voltei mais. E ele nem lembrou que eu existia! Foi tudo muito bem! E na hora de ir embora ele não queria. Falou que queria ficar na "ecola". Hahahaha. Menos mal, né?

Meu único drama foi a merenda. Coloquei pinha (já sem os carocinhos)e um suquinho de laranja. Mas quando os coleguinhas abriram a lancheira e ele viu todo mundo comendo biscoito, quis "bicoito" também!

Resultado: "roubou" a merenda dos coleguinhas. Comeu "bicoito" de todo mundo. No fim acabou comendo a pinha também. Isso significa que vou ter que colocar um biscoitinho pra ele. Ou um bolinho. Mas decidi que vou comprar só biscoito saudável. Sem recheio, sem gordura trans!

Hoje, continuo na escola. Mas ele está super tranquilo (a única dificuldade foi pra acordar)! Ele entrou na sala, beijou a professora, tirou a mochila das costas, me deu um beijo e nem "tchum" pra mim. Espero que continue bem!

A única coisa que tem me deixado de cabelo em pé é a "peraltice" que ele anda! Alguém aí me diz que é normal da idade, caso contrário vou enlouquecer! Meu gostoso tem me desafiado até no castigo. E quando eu digo "não faça isso", ele diz "vou fazer sim" e o pior: FAZ! Estou ficando LOUCA! Meu drama diminuiu um pouquinho quando recebi um email ontem da Revista Crescer sobre essa fase dos pequenos. Veja aí.

"Você tem notado que sua pequena e linda filha anda cada vez mais desobediente. Pois é, esse traço tão peculiar do ser humano em geral, e das crianças em particular, se manifesta logo cedo. Então, prepare-se para embates desgastantes, porque a desobediência e como lidar com ela são certamente um dos capítulos mais importantes sobre a educação na infância. Aos 2 anos de idade a criança já consegue perceber que suas atitudes podem irritar os adultos. Mas, como não tem noções sobre regras nem limite, vai fazendo tudo o que lhe vem à cabeça. Nesse momento, cabe aos pais conversar e chamar a atenção da criança para que ela, aos poucos, possa começar a compreender (que lamber o espelho todos os dias, pintar as paredes da sala, esvaziar todos os xampus dentro da banheira e outras coisinhas mais não é legal nem correto) e respeitar as regras de convivência necessárias para se viver em sociedade.



Além do papel dos pais, o da escola também se torna muito importante e parceiro da família. Chamar a atenção de seu filho tem uma função em casa e outra no ambiente escolar. A atitude sempre o ajudará a compreender seus limites nos diferentes ambientes que freqüenta. Quando o pequeno desrespeita as regras do grupo na escola, como dar um tapa em um coleguinha de classe, a professora pode adotar uma medida socioeducativa para fazer o aluno pensar no que fez. Só colocar de castigo não vale (pelo menos não na escola).


Segundo os educadores, nessas horas o importante é conversar (em casa e na escola). Além do diálogo, dá para inventar histórias ou músicas daquilo que é permitido fazer e explicando o que não pode.


Aliás, alguns educadores acreditam que, melhor que enfatizar o “não pode”, é se utilizar do positivo no discurso do “pode”. Por exemplo: em vez de dizer “não pode tirar o enfeite de cima da mesa”, dizer “o enfeite tem de ficar em cima da mesa”. Dessa forma a criança aprende que há muitas coisas permitidas e não fica preso ao que é proibido.


Bem, vale qualquer estratégia saudável para não se perder no emaranhado de desobediência infantil, algo fácil de acontecer, afinal somos todos seres humanos e erramos bastante. Só não vale se omitir. Você sabia que omissão na educação dos filhos é uma forma de negligência? Procure acompanhar junto à escola de seu filho qual o método adotado em caso de desobediência. Interaja e, se achar que deve, dê sugestões."

3 comentários:

Nathi disse...

Que lindo o Samuel todo rapazinho na escola. Fofo!
Já passei por essa fase. Muita força. Já, já passa...

Beijos***

TV SalvadorNews disse...

Xiii, Camila,

Paciência com Samuel... Claro que não me lembro, mas, segundo a minha mãe, sempre fui muito "calminho, gentil e educado com as pessoas à minha volta".
Ah, a ida a primeira vez à escola: Todos passam por isto e, por incrível que pareça, isto, sim eu me lembro!!!
Ah, dou risada disto, rsrsrs...
Ah, siga-me no Twitter da TV SalvadorNews (@salvadornewstv). Eu estou te seguindo!
Força e, mais uma vez, paciência!
Bjss,
Marcus

Matheus Guanabara disse...

Milaaaa,

Recebi sua mensagem quando estava no aeroporto vindo para o Canada... primeiro de tudoo FELIZ ANO NOVOO!!! Heheheheh... olhe so, mandei um e-mail para vc para saber como esta o ingles, pois estou perdendo muita aula!! Mandei para o camila.marinho@redebahia.com.br

Caso esteja errado, mande um e-mail para mim e posteriormente eu te respondo (ma.guanabara@hotmail.com).

See you!!

Matheus