O bom da vida é sair por aí...Descobrir o mundo, descobrir as pessoas e as coisas...Sentir, olhar, experimentar... viver o que é bom e saber diferenciar...ampliar os horizontes sem ter medo de ousar!!!!

Por Camila Marinho

14 de outubro de 2007

Comida nordestina

É incrível como o Brasil tem tantas diferenças de norte a sul. São hábitos, costumes e tradições que variam conforme a região. É como se fossem vários países dentro de um só.

Desde que vim morar no Nordeste, eu (como boa mineira) tive que reaprender e entender muita coisa: do sotaque às expressões até aos hábitos alimentares.. E foi justamente o estômago que mais estranhou... Mas foi um "estranhamento" natural, gostoso... nunca deixei de provar nada, por mais "estranho" que parecesse.

Me lembro do meu primeiro café da manhã tipicamente nordestino. Eu tinha acabado de mudar para Maceió e iria encarar meu primeiro dia de trabalho na TV Gazeta (afiliada da Globo). Viajaria para a divisa de Alagoas e Sergipe para cobrir a cheia do Rio São Francisco (por causa da chuva). Fomos eu, o cinegrafista e um auxiliar. Saímos às cinco da manhã e paramos em um restaurante no meio da estrada para tomar café. Muito acostumada aos hábitos mineiros do café da manhã (pão francês, misto, pão de queijo, suco....), logo pedi um misto, uma cafezinho e um suco.

Me assustei quando ouvi o cinegrafista e o auxiliar:
- "Pois para nós traga cuscuz, macaxeira, carne de bode e carne do sol!"
Não acreditei e retruquei:
- "Vocês comem isso no café da manhã??? É um almoço! E é bastante pesado!"

Bom, assim eu pensava. PENSAVA....(passado, entendeu?)
Quando o meu misto quente saiu, dei duas mordidas e deixei de lado. Fui acompanhar os colegas de equipe: carne de bode, cuscuz de milho, macaxeira (mandioca para mineiros, aipim para baianos). Um verdadeiro festival de comida nordestina!
Eu, que nunca tinha comido carne de bode, passei a adorar!

Foi a minha estréia, magnífica por sinal. Quando contei para minha mãe ela quase não acreditou! Até hoje o "povo de Minas" estranha esse hábito no café da manhã.

Em Arapiraca (terra do meu marido, Marcones), poucos comem pão frances na refeição matinal.
Para quem não conhece, Arapiraca é a terra do fumo e a segunda maior cidade de Alagoas, conhecida também como a Capital do Agreste.

Na casa da minha sogra, onde estou neste feriado, o que não falta é este tipo de comida. Nem preciso dizer que volto com uns quilinhos a mais, não é?

Claro que tive que aprender a fazer, afinal, é preciso agradar ao maridão. Até uma cuscuzeira eu tive que comprar....

Curiosidade
Na Bahia, também há esse hábito no café, porém é mais típico no interior do Estado. Em Salvador, o que os soteropolitanos apreciam mesmo é uma suculenta feijoada logo cedo. É o feijão baiano! Parece absurdo e exótico um prato desses no café. Realmente é, mas até eu já me rendi a esse costume (poucas vezes, é claro).

Me lembro do carnaval do ano passado, quando estava trabalhando de manhã cedinho. A parada para o café foi no meio da rua, em uma mulher que vendia feijoada (maravilhosa)! Me esbaldei!
O baiano gosta de comer isso porque diz que sustenta o dia inteiro.

Ervas

Além dos "pratos" diferentes, algumas ervas e temperos contribuem para o "gostinho nordestino" das refeições. Enquanto em Minas Gerais usamos muita salsa e cebolinha como cheiro verde, aqui no Nordeste o povo ama o coentro e usa em tudo!!!

Aprendi a gostar... mas não em tudo!
Coentro, na minha opinião, vai bem em peixes, algumas saladas e molhos.

Cominho é outro tempero dos mais utilizados, assim como o coloral (corante), que as pessoas adoram usar nas carnes.

Enfim, aqui no Nordeste é um festival de sabores. Eu, que não sou boba nada (e muito boa de garfo), provo tudo!!!! Com o maior prazer, obrigada!

9 comentários:

pipoka disse...

Gostei do seu texto...é enriquecedor tomar conhecimento das tradições culinárias dos diversos países e das diversas regiões dentro desses países. Fiquei com a ideia de que a cozinha do Nordeste brasileiro tem influências árabes (cuscuz, coentros, cominhos).

Allan Robert P. J. disse...

No início da Estrada do Coco, do lado direito, tem um boteco daqueles de chão de terra: a "Toca do Sapo". Faz o melhor feijão gordo das manhãs de sábado.

Anônimo disse...

Gostei de ler o seu texto e posso dizer que Portugal é pequeno mas no Norte ha mais pratos feitos com batatas e usa-se muito a salsa no Sul ha varios pratos feitos a base de pao e usa-se coentros quase em tudo. Eu tenho uma boa amiga a Critina ela é do Algarve e num passeio ao Norte de Portugal visitou uns conhecidos e la em casa havia visitas de uns "velhotes" e eles pergutarao: e a menina é de onde? e ela respondeu do Algarve e eles disserao ha dos Marrocos!!!! Pois como o sul de Portugal esteve por muitos mais anos com influecia Arabe, que alguns dos velhotes ainda assim falao.
Bj Branca5

isabella leal disse...

C�aaaaa, to passando pra te contar que segui sua excente sugest�o e fui visitar "Inhotim" neste feriado! L� � simplismente maravilhosoooooooooo! Lindo d+! Eu amei! Fui com uma turminha boa, passamos o dia l�e apesar de estar muito quente, foi uma �tima pedida pro feriado! Amei d+, tirei um tantoooooo de fotos, babei geral! Vleu pela dica do seu super blog sua famousssssss! bjooooo

Marizé disse...

Adorei ficar a conhecer um pouco mais destas tradições.
Beijocas

Flor de Sal disse...

Ol� Camila! Acabei de descobrir o seu blog!Gosto muito da maneira como deascreve as coisas, e irei voltar com mais frequ�ncia!
... e eu tamb�m provo tudo! Nem que seja para ter a certeza que n�o gosto!!!
Bjnhos de Portugal

Camila Marinho disse...

Pipoka, não sei ao certo a origem. Mas a culinária baiana, por exemplo, tem influência africana. Enquanto o cuscuz marroquino é feito com grãos redondinhos de sêmola de trigo, o cuscuz nordestino é feito com flocos de milho. Já li uma vez que a influência árabe chegou à cozinha brasileira através dos europeus, especialmente pelos portugueses. Vou procurar saber mais.

Allan, obrigada pela dica. Fiquei com vontade de conhecer a tal "Toca do Sapo". Adoro lugares simples. Para mim, vendem ótimas (maravilhosas)comidas.

Branca, depois de ler o que escreveu acho que realmente a culinária nordestina tem influência árabe sim, trazida pelos portugueses! Interessante saber que existem diferenças marcantes também em Portugal!

Bel, que bom que seguiu a sugestão. Lá realmente é tudo de bom. Lugar perfeito, maravilhoso e muito, muito agradável!


Marizé, vivemos sempre em troca de experiências e informações. Isso é maravilhoso!


Flor de sal, só provando para saber o que é bom, não é mesmo???

Lilian disse...

Você poderia perguntar ao seu marido se ele conhece uma verdura chamada breda, que o meu marido comenta ter experimentado quando pequeno, lá em Atalaia, Alagoas?
Abraços

Camila Marinho disse...

Oi Lílian,
Desculpe a demora em responder. Meu marido conhece e eu também tive o privilégio de poder experimentar.
Eu conheci como Bredo. Algumas pessoas do sertão/agreste de Alagoas costumam plantar e comer só na época da semana santa. Às vezes fazem tipo uma "moqueca" de bredo. Meu marido não gosta, mas eu gostei muito quando provei. Não sei dizer ao certo com o que parece, mas me lembra ora-pró-nóbis. Bjos