O bom da vida é sair por aí...Descobrir o mundo, descobrir as pessoas e as coisas...Sentir, olhar, experimentar... viver o que é bom e saber diferenciar...ampliar os horizontes sem ter medo de ousar!!!!

Por Camila Marinho

26 de julho de 2007

Rumo a Brasília na Vila do Chaves

Me senti atriz de novela mexicana na noite desta quarta-feira (25). Era dia de reunião de condomínio no meu prédio. Na verdade, eleição de síndico, que já havia sido adiada uma vez por falta de quórum. Nesta quarta, o número de participantes continou baixo, menos de 10% dos condôminos, mas a eleição teve que ser feita. Quer dizer, não foi propriamente uma eleição porque não teve escolha. Só havia um candidato a síndico. E nenhum a sub-síndico!!! Parecia comédia mexicana. Em alguns momentos me senti na Vila do Chaves (se lembram da Dona Florinda, Seu Madruga, Kiko e Chiquinha??)....

Para encontrar o sub-síndico foi um Deus nos acuda. Todos os (poucos) participantes foram cogitados para assumir "o cargo", inclusive eu... Alguns até insistiam, mas nem me passava pela cabeça assumir tamanha responsabilidade. Primeiro porque não tenho tempo. Segundo porque não levo jeito para isso!

E foi um tal de procura aqui, convence ali, até que um condômino chegou a sugerir que se fizesse sorteio para escolher o sub. Quem saísse com o nome no papel teria que assumir e pronto! Dá para imaginar uma loucura dessas?? Eu ouvia e me beliscava para ver se estava sonhando (ou tendo um pesadelo), mas infelizmente era real... Claro que isso não aconteceu né???

Enfim, foram várias propostas "indecentes", até que um morador chegou para a reunião (atrasado, é claro). Nem bem ele entrou na sala, e já foram perguntando se ele queria ser o sub-síndico. Eis que ele prontamente respondeu que sim. E aí foi aquela salva de palmas!

Assim que os aplausos cessaram, eu perguntei a um vizinho: "a propósito, qual o nome dele mesmo?"
O vizinho não soube responder.... Ou seja, o sub foi escolhido sem, sequer, sabermos o nome dele. Vila do Chaves ou não???

Além da dificuldade para encontrar um sub, também foi difícil formar o Conselho Fiscal do prédio (o Conselho se reúne toda semana para fiscalizar as contas, propor mudanças, deliberar sobre alguns assuntos, etc).
Quando finalmente 3 moradores se colocaram à disposição, disseram que era preciso escolher os suplentes! É mole??? Fui convidada, mais uma vez, e refleti bastante.
"Tudo bem, disse. Serei suplente no Conselho Fiscal".

Pela primeira vez na vida eu seria suplente de alguém. Olha a responsabilidade!
Já estava até gostando de ser suplente quando fui promovida!!! Uma moradora havia desistido de integrar o Conselho, por isso, todos os outros moradores praticamente me "obrigaram" (no bom sentido da palavra) a deixar a suplência para assumir a vaga no Conselho Fiscal! Vila do Chaves ou não???
Eu nem esperava por essa "promoção".

Agora, como membro do Conselho Fiscal do prédio, já estou cheia de idéias. E como todo político, faço (boas) promessas.
Prometo não me tornar como os parlamentares de Brasília..
Prometo fiscalizar com isenção...
Prometo fazer para acontecer....
Prometo também...... cumprir o que prometi!!!

Um comentário:

Cristiano. disse...

Faltou o nhonho na história!!! A Pri é que não pode ouvir falar...